Cirurgia da Obesidade, Redução de Estômago

Preparo Fisioterapêutico

A complacência pulmonar total pode ser reduzida a aproximadamente; um terço do valor normal devido ao peso adicional sobre a parede torácica, levando a um aumento do trabalho da respiração e do consumo de oxigênio. A Capacidade Residual Funcional (CRF) diminui e a capacidade de colapso aumenta, predispondo assim, a uma Atelectasia (perda do volume do pulmão). Uma redução de 60% na Capacidade Residual Funcional é com freqüência, observada durante a indução anestésica, o que leva a um aumento do risco de Atelectasia basal. A hipoxemia (baixa quantidade de oxigênio no sangue) pode ser observada durante repouso de pacientes obesos, especificadamente se eles estiverem em posição supina (deitado de barriga para cima), o que ainda reduz a Capacidade Residual Funcional. O reflexo de tosse é deprimido centralmente pela sedação anestésica e perifericamente por qualquer incisão abdominal ou torácica. A resultante da redução nos volumes inspiratórios e expiratórios faz com que seja mais difícil gerar pressão para desprender o muco (secreção) das vias aéreas. Uma vez classificados os pacientes  de forma apropriada, um questionamento especial pode ser necessário no que diz respeito à história  respiratória e de tabagismo do paciente, além de quaisquer medicações relevantes, tais como broncodilatadores. Aferir as medidas de pressões respiratórias máximas (PI Max/ PE Max) para se verificar a força muscular respiratória e saturação de oxigênio por oximetria (aumento de oxigênio no sangue) de pulso.

É importante estabelecer a tolerância do paciente ao exercício e assegurar um exame geral do sistema músculo-esquelético. A explanação pré-operatória com respeito aos efeitos da imobilidade, podem ser úteis para redução dos níveis de ansiedade no período pós –operatório.

Se a maioria dos problemas respiratórios fossem considerados no pré-operatório, os pacientes poderiam se beneficiar da instrução no uso de recursos fisioterápicos para prevenção de complicações pulmonares como atelectasias bem como as conseqüências de imobilização como o tromboembolismo. Geralmente, os objetivos principais são: aumentar a capacidade residual, funcional e capacidade pulmonar total, higiene brônquica, treinamento de huffing ou tosse, aumento de trofismo muscular e controle adequado do alívio da dor.

Dr. Valdimar De Araújo Santana
CREFITO – 4/49081-F