Cirurgia da Obesidade, Redução de Estômago

Arquivos

Autor do Post

dores-articulacoes

É uma situação complexa com sérias repercussões sociais e psicológicas que afeta ambos os sexos e praticamente todas as idades.

Sabe-se que a obesidade é um grande problema de saúde pública no mundo todo. É uma situação complexa com sérias repercussões sociais e psicológicas que afeta ambos os sexos e praticamente todas as idades.

Em 1995, havia 200 milhões de pessoas obesas no mundo, número que aumentou para 300 milhões no ano 2000. Ao contrário do que muitos pensam, a obesidade não é uma doença de países desenvolvidos, estima-se que haja 115 milhões de pacientes obesos em países em desenvolvimento.

Recentemente, a primeira dama norte americana ganhou os holofotes ao participar de uma campanha mundial contra a obesidade infantil, algo que tem preocupado muito as autoridades de saúde de todo o mundo.

As dores e a obesidade: qual a relação?

A obesidade grave está associada a dores articulares e diminuição importante da funcionalidade corporal (habilidade para curvar-se, levantar pesos, andar, etc.). De onde vem a relação entre dores e a obesidade? A obesidade aumenta a incidência de dores lombares e articulares. Isso ocorre de forma direta, já que todo o sistema musculoesquelético fica sobrecarregado pelo excesso de peso e de forma indireta, por prejudicar a performance cardiovascular, reduzir a flexibilidade, aumentar a inflamação sistêmica e diminuir a força muscular por massa corporal.

É importante ressaltar que não são apenas as articulações que sofrem com a obesidade. Toda a coluna vertebral está sobrecarregada com o excesso de peso, aumentando a incidência de degenerações e hérnias de disco, por exemplo.

A cirurgia bariátrica tem sido um tratamento altamente eficaz para pacientes com obesidade grave, promovendo a manutenção da perda do peso corporal e diminuindo a incidência e a gravidade de doenças associadas como diabetes mellitus, hipertensão arterial, aumento do colesterol e depressão.

A Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica preconiza que a cirurgia deve ser indicada para pacientes com Índice de Massa Corporal acima de 40, independente da presença de doenças associadas ou naqueles pacientes com Índice de Massa Corporal acima de 35 e que apresentem alguma doença associada a obesidade que possa melhorar com a perda de peso (ex. diabetes mellitus, hipertensão arterial, etc). Obtém-se o Índice de Massa Corporal dividindo o peso (em Kg) pela altura (em metros) do paciente elevada ao quadrado.

Um estudo, realizado por pesquisadores da Universidade de Pittsburgh nos EUA, avaliou a melhora da dor e função articular em mais de 2400 pacientes obesos submetidos à cirurgia bariátrica.

Os médicos pesquisadores demonstraram que de 50 a 70% dos pacientes submetidos à cirurgia bariátrica passaram a ter, significativamente, maior qualidade de vida e menores índices de dores lombares, em quadris, joelhos e tornozelos.

obesity4

Nas últimas décadas, a obesidade se tornou um tema amplamente discutido em âmbito global, devido ao crescente número de portadores dessa condição e dos males que ela pode ocasionar. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, estima-se que uma em cada três pessoas esteja acima do peso no planeta, e as maiores causas do problema estão na má alimentação e na adoção de um estilo de vida sedentário.

Atualmente, pesquisas e estudos realizados sobre essa questão apontam que as taxas de mortalidade entre os obesos são bem superiores as pessoas que estão em sua faixa de peso ideal. Isso acontece pois o excesso de gordura no corpo humano tem o potencial de agravar problemas de saúde e gerar uma série de doenças físicas e psicológicas, como as que veremos a seguir.

Hipertensão – Os indivíduos que sofrem de obesidade possuem maiores chances de terem seus vasos sanguíneos comprimidos em razão principalmente do consumo excessivo de alimentos que fazem mal à saúde. Essa compressão dos vasos é o que resulta na pressão alta.

Hipertrofia Ventricular – É uma doença cardíaca, ocasionada pelo aumento do músculo do coração. Essa patologia atinge aos obesos pois o coração dessas pessoas precisa trabalhar mais do que deveria para sustentar seu peso e a estrutura corporal.

Apnéia – É uma doença séria que gera paradas respiratórias involuntários enquanto os indivíduos obesos estão dormindo. Isso ocorre pois essas pessoas possuem excessos de gordura nas áreas do pescoço e do tronco, o que dificulta a respiração e ocasiona um fechamento repentino da faringe.

Depressão – Portadores de obesidade possuem uma tendência mais elevada de desenvolverem um quadro depressivo em função de sua autoestima baixa que os torna inseguros em relação ao próprio corpo e atrapalham as relações sociais e pessoais.

Diabetes do tipo 2 – Apesar da diabetes ser, em muitos casos, causada por fatores genéticos, a doença também afeta mais facilmente as pessoas que estão acima do peso. Isso acontece porque o excesso de peso causa uma resistência do organismo à insulina, que é o hormônio responsável pela regulação dos níveis de glicose. Sem que haja essa regulação, as chances de desenvolver a diabetes do tipo 2 crescem consideravelmente.

Indicações da Cirurgia

Pacientes com IMC maior que 35 kg/m² e afetados por comorbidezes que ameacem a vida como: • diabetes, • apneia do sono, • hipertensão arterial, • dislipidemia, • doenças cardiovasculares incluindo doença arterial coronariana, • infarto de miorcárdio (IM), • angina, • insuficiência cardíaca congestiva (ICC), • acidente vascular cerebral, • hipertensão e fibrilação atrial, • cardiomiopatia dilatada, • cor pulmonale e síndrome de hipoventilação, • asma grave não controlada, • osteoartroses, • hérnias discais, • refluxo gastroesofageano com indicação cirúrgica, • colecistopatia calculosa, • pancreatites agudas de repetição, • esteatose hepática, • incontinência urinária de esforço na mulher, • infertilidade masculina e feminina, • disfunção erétil, • síndrome dos ovários policísticos, • veias varicosas e doença hemorroidária, • hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebri), • estigmatização social e depressão.

Fonte: [online] Conselho Federal de Medicina

Novas diretrizes elaboradas por mais de 40 sociedades médicas recomendam a cirurgia bariátrica como mais uma opção para o tratamento de diabetes.

Segundo o documento, a operação popularmente conhecida como redução de estômago deveria ser indicada a pacientes diabéticos com obesidade mórbida (IMC acima de 40), independentemente de seu nível de glicose, e pacientes com obesidade moderada e severa (IMC entre 30 e 40) quando a doença não puder ser controlada com medicamentos ou mudanças de estilo de vida.

O texto foi publicado na revista “Diabetes Care”, que é editada pela Associação Americana de Diabetes. A recomendação da cirurgia para o tratamento de diabetes é baseada nas alterações metabólicas que ela causa, como o aumento da produção de insulina.

“Não queremos indicar a cirurgia com base apenas em peso em altura, mas sim selecionar os pacientes pela gravidade do caso. Há diabéticos com IMC de 31 que precisam mais do tratamento do que o indivíduo com IMC de 36”, diz Ricardo Cohen, coordenador do Centro de Obesidade e Diabetes do Hospital Alemão Oswaldo Cruz e único brasileiro a participar da elaboração do documento.

Cohen afirma ainda que uma proposta de selecionar os candidatos à cirurgia por meio da gravidade de sua saúde, dando notas aos fatores de risco, já foi levada ao CFM (Conselho Federal de Medicina).

No Brasil, o órgão aprova a cirurgia para quem tem IMC acima de 40, ou 35 com doenças associadas, como diabetes e hipertensão.

Fonte [online]: Folha de São Paulo

 

doenças_coronarianas

Cirurgia bariátrica pode reduzir em mais de 50% risco de morte por doenças cardiovasculares

Pesquisa mostra diminuição em glicemia, triglicérides e aumento do bom colesterol

A cirurgia bariátrica pode ajudar a diminui o risco  de doenças cardiovasculares por um período de, pelo menos, dez anos. Os dados foram apresentados nesta sexta-feira (20), durante o 1º Simpósio Internacional de Videocirurgia, promovido pela SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica).

Realizada na Universidade Stanford, nos Estados Unidos, a pesquisa foi feita com cerca de 800 pacientes sete anos após a realização do procedimento. De acordo com o chefe de cirurgia da universidade, John Morton, a operação pode reduzir em até 56% a mortalidade por doenças do coração.

Entre os resultados, destaca-se a redução de triglicérides (20%), glicemia de jejum (80%) e o aumento do índice de colesterol bom (10%).

As doenças cardiovasculares são responsáveis por mais de 300 mil mortes por ano nos Estados Unidos, o que leva a cirurgia bariátrica a ocupar a primeira colocação no ranking mundial de volume de procedimentos bariátricos.

As principais causas que desenvolvem problemas no coração são a obesidade e o tabagismo. Além dessas, diabetes tipo 2, hipertensão e apneia do sono também contribuem para o surgimento deste quadro.

Fonte: [online] Portal R7

Agende uma consulta

Veja o melhor horário para você.

Fale Conosco 62 39456016